28 dezembro 2011

Ainda sobre o Natal

Coisas de que eu não preciso: livros de culinária

26 dezembro 2011

O Natal ainda é o que era

Cuecas: Check
Meias: Check
Saco de água quente: Check

22 dezembro 2011

Resolução de Ano Novo

Para o ano tiro férias nesta altura.

Percebes que a tua vida mudou

Quando vais jantar a casa de uma amiga, com mais duas amigas, e passas todo o tempo a falar de dores, doenças, operações à vesícula, cenas do apêndice, doenças dos outros, bebés, tamanho da barriga das grávidas, fraldas, maternidade, pré-parto, parto, pós-parto e tudo o que isso implica.

17 dezembro 2011

Coisas do Natal

Nunca mais é quinta-feira.

13 dezembro 2011

Como falta sempre alguma coisa

Este ano e pela primeira vez ao dia de hoje já tenho todos os presentes de Natal comprados, embrulhados e etiquetados. A árvore está no sítio, as luzes brilham, brilham, brilham, e até a Consoada já está alinhavada com a família. Ora pois que isto me podia soar a perfeito, perfeito. E seria perfeito, sim, não fosse eu não fazer ideia onde raio guardei o presépio. Não está nos armários, não está dentro dos caixotes arrecadados, nem tão pouco está debaixo da cama (sim, fui ver debaixo da cama) ou na mala do carro (às vezes encontro coisas estranhas na mala do carro). Família gordinha, onde se meteram vocês??

É isto e as viagens continuarem para lá de caras. Tipo, naquela da loucura, deu-me para pesquisar andanças pra sítios de lá longe. Como a crise é tanta, não vá darem praí borlas à maluca e a malta até consegue ir beber a champanhola (leia-se ponchola) a terras de lá longe.

09 dezembro 2011

Coisas que me apetece dizer

Tenho os pés gelados.

03 dezembro 2011

Amigo Ben, bates forte cá dentro

Nasci pó e quis a minha agência dar-me o nome de Ben-u-ron. Minutos após o meu nascimento, ainda eu não sabia qual o meu verdadeiro efeito, começaram os meus problemas. Na verdade, eu sou o Ben-U-Ron, mas, insiste quem me toma chamar-me de Benuron. Uma (in) felicidade partilhada apenas e só com aqueles a quem o nome está constantemente a ser trocado. Tipo aquela, a Mariela, a quem chamam de Migaela. Tás a entender?
Mas vamos à vida. À minha vida. Estás aqui por ela, eu sei. Tenho essa certeza. Dependes de mim como um fumador depende do fumo do seu cigarro. É certo. E é verdade. Eu causo-te dependência. Não a ti, mas ao teu corpo. Sim, é verdade! Lembras-te daquele dia, no início da outra semana, daquele minuto ao acordar, quando o som do teu despertador se repetiu incessantemente dentro da tua cabeça, qual enxaqueca a dar o seu sinal? Não era enxaqueca, era segunda-feira. Lembras-te? Vá, diz-me, de quem te lembraste logo de imediato? De mim, o Ben! E lembras-te de quanto tempo demoraste a encontrar-me? Eu não estava na gaveta do armário da casa de banho; eu não estava na gaveta dos talheres, na cozinha, nem tão pouco estava dentro da taça onde colocas as cápsulas de café da tua máquina xpto. Também não estava dentro da carteira da tua avó, essa com quem partilhas casa, forçado. Essa já não quer nada comigo...
E eis que, voilá, finalmente deste comigo. Perdido, esquecido, atirado para dentro de um armário. Não sei como fui lá parar. E isso agora também não interessa nada. O que interessa é que depois de um banho de água fria, escorreguei para dentro de ti. Foi bom, não foi?! Ainda bem. É que agora já é sexta-feira outra vez. Por isso, vai. É sexta-feira, diverte-te. O fim-de-semana é teu, está à tua espera... como eu estarei na próxima segunda, para, novamente te dar a provar o efeito sedutor do meu pó dentro do teu ser.

E depois também há isto


                                Os efeitos secundários da vida

02 dezembro 2011

Apetece-me


                                         Um banho de chuva

Eu (sobre)vivi o último feriado de um de Dezembro


Manta. Sono. Cama. Sofá. Edredon. Meias grossas. Chocolate. Descanso. Botão do aquecedor no máximo. Séries. Filme. Documentários. Livro. Passeio virtual. Fotografias antigas. Telefonemas. Saudade. Mensagens. Desabafos. Pensamentos. Lágrimas. Tranquilidade. Refilanços com o tempo, que não anda para trás. Nostalgia. Contas. Contas à vida. Ralhar com a vida. Música. Luz. Escuro. Pensamentos bons. Pensamentos menos bons. Medo. Silêncio.

29 novembro 2011

Uma espécie de Santa Bárbara

Ando na fase do deita cá pra fora. Por isso, aqui vai: estou um bocadinho farta que só se lembrem de mim quando precisam disto, daquilo, e de mais não sei o quê; quando se chateiam com a vida, com o trabalho, com a mãe, com o namorado, com ou cão... e por aí fora. É isto. Hoje.

Presente. Verdade.

25 novembro 2011

Sou muita toto



As vezes fico parva comigo. As falhas no meu cérebro são incríveis. Por vezes, não sei onde é que enfio aquele ser desconfiado e perspicaz que há em mim. Tenho a mania. Não acredito nas pessoas à primeira, à terceira, nem à quinta vez. Acho sempre que me estão a passar a perna. As boas intenções só porque sim dão-me cenas. Soam-me sempre a falsas. Mas, lá no fundo, o que eu espero sempre é que as pessoas sejam como eu. Quero sempre acreditar que a maldade não existe e que o passa a perna só acontece aos outros. Que os elogios são verdadeiros e as opiniões sinceras. Esta vontade de acreditar faz-me sempre voltar a cair. Estou a demorar a crescer neste aspecto. Depois é um círculo vicioso.

Momento

24 novembro 2011

Pão com manteiga


Huumm, ok. Afinal ainda consigo dizer a dita da expressão. Se calhar isto até nem está tão mau como eu penso que está.

17 novembro 2011

Dez



Passaram dez anos desde que te foste embora. Podia muito bem ter sido no ano passado, nada desapareceu da minha memória. Dez anos passaram. Dez. Sabes, continuas perto de mim. Se calhar sou eu que estou perto de ti. O teu lugar continua no meu coração e de quando em vez imagens tuas aparecem na minha cabeça. Lembro-me muito de ti. Passo por sítios e lembro-me que estive ali contigo. Por vezes, questiono-me por que é que me lembo tanto e tantas vezes de ti. Aceitei a tua partida, mas ainda não me conformei. Há coisas que não podem acontecer. No outro dia vi-te nas fotos da viagem a Lloret. Questiono-me: como é que seria a tua vida agora se tudo tivesse sido diferente?
I, continua a olhar por mim, aí, desse lado. Aqui, onde eu estou, sei que continuarei a lembrar-te. Estamos juntas!

14 novembro 2011

Ponto da situação


Falta tempo ao tempo.
Um dia não me chega.
O “não tive/não tenho tempo” nunca fez tanto sentido.
Continuo a querer um cão.
Continuo a querer um terraço.
Já sei outra vez o que são saudades.
Acho que tenho de ir à bruxa, mas, na verdade, vejo os “acidentes” a acontecer aos outros.
Continuo a dizer que sou uma gaja cheia de sorte.
Dizer “está tudo bem” já não chega.
Tenho desejos de pizza.
Continuo a gostar de branco.
Não respiro fundo.
Não conto até dez.
Não sei esperar pelo tempo.
Não sei vê-lo passar.
Ando com ânsias.
Há coisas que não compreendo. E ainda bem.
Às vezes, os outros não me percebem. E ainda bem.
Não ando com vontade, e não tenho tempo, para explicar teorias e conceitos.
Tenho o meu mundo.
A SR vai casar para o ano.
Não tenho paciência para ser hipócrita. Mesmo que a sociedade assim o exija.
Continuo a gostar de padrões floridos.
Quero ir de férias pra bem longe.
Acho que as minhas mamas estão a ficar descaídas.
Já não gosto de calçar sapatos de salto alto.
Descobri que o Woody Allen vê por uns óculos iguais aos meus. Não. É o contrário.
Todas as pessoas que vão a minha casa adoram a janela da cozinha e vão para lá dizer coisas estranhas ao mundo.
O meu vizinho do lado, ontem, não foi para a cama sem ir a casa da porteira discutir com ela. A minha veia de vizinha cusca continua apurada. Ouvi a discussão atrás da porta. Estive todo o tempo com aquele risinho.
Gosto de tártaro de atum.
O Martim nasceu.
Tive tempo para ver a Gala da Casa dos Segredos. É bom de mau.
No Natal, o meu presente eu quero que seja... uma jaleca. (com o meu nome bordado, sff)
Ando a "Dizer Amor" como a Rosa Lobato Faria.
Ficam sempre coisas por dizer.

31 outubro 2011

Ao cuidado de quem manda nos ponteiros do relógio

Será que podem fazer com que esta semana passe devagar. De-va-ga-ri-nhoo.

28 outubro 2011

Percebes que a tua vida pode mudar...


Quando dás especial atenção ao PSI20

27 outubro 2011

25 outubro 2011

Ou estou louca... ou acho mesmo que não tenho mais nada para fazer



Depois de me ter dado na cabeça para voltar a estudar, depois de me ter inscrito na faculdade outra vez... depois de ter desembolsado este mundo e o outro em forma de euros... e agora que ainda nem a meio desta etapa cheguei, vai que ando com o bichinho de não parar por aqui e já ando a ver o que é que há por aí que me possa interessar... inscrever... quando terminar aquilo que estou a fazer. Definitivamente o que custa é começar... e depois, agora, as noites até estão frias e chuvosas e os sábados são uma seca... e o homem lembrou-se que aquele país cujo nome termina em -ão é ali pertinho e toca de lá ir fazer um trabalho.

18 outubro 2011

Nossa, assim você mi mata...


Com um calorzinho tão bom e tu trazes-me esta coisinha linda, quentinha e fofinha. Pronto, isto faz-me pedir inverno, pois claro!

13 outubro 2011

Eu sei, eu sei


Dizem-me os astros: "Poderá ter problemas em conciliar as horas de sono". E pois que dizem muito bem! Mas quem me mandou a mim armar em esperta e achar que é fácil conciliar um dia inteiro de trabalho com aulas em pós laboral que só terminam quando um novo dia se anuncia no calendário?!

10 outubro 2011

07 outubro 2011

Cansei



Tenho saudades dos tempos das Modas antigas. Hoje, cansam-me as meninas que passaram os últimos dias a escolher coordenados e sapatos mais altos, de forma a conseguir fazer a diferença e, quiçá, mudar o mundo, para depois, na altura, vai-se a ver e vão todas vestidas de igual, onde até o penteado é tábua rasa um do outro. Cansam-me os cabelos soltos, só porque estão mais curtos, como se tivessem sido cortados em série, pela mesma linha de fábrica; cansam-me os apanhados com torniquetes, ou lá o que é aquilo. E aqui me questiono: é tendência o cabelo apanhado que eu uso em casa, quando nada me apetece e tudo tenho de arrumar e limpar? Cansam-me as montras e o querer ser, perdão... aparecer. Cansam-me as faltas de cuidado e as personagens que dão primazia ao estilo e se esquecem de que debaixo de uma roupinha linda e maravilhosa, é obrigatório um desodorizante que afaste maus odores e manchas de zonas do corpo onde elas não precisam mesmo de aparecer. E depois, onde estão os papás e as mamãs que deixam miúdas e miúdos, cuja idade não lhes permite conduzir um carro, irem desfilar modelitos justos e ousados, que lhes acrescentam algarismos à idade, ali, bem perto dos olhares dos mais alheios? O que fazem ali gaiatas e gaiatos que vibram mais ao avistar a pipoca mais doce na sua versão original do que com os conteúdos de qualquer coleção apresentada na passerelle? O que estão ali a fazer miúdos menores de idade, armados em fashion bloggers, que deveriam era estar em casa a estudar o novo acordo ortográfico ou a diferença entre o acontecimento que marca a data do 5 de Outubro e a diferença que impôs o 25 de Abril? E é com isto e com estes que vamos mais além? E é por isto, e por estes, que ficamos mais conhecidos e/ou aparecidos no mundo tendencioso lá de fora?

E ainda só passou um dia...

24 setembro 2011

16 setembro 2011

Então é assim

Tu falas, eu ouço. Até aqui tudo bem, certo?! 
A dúvida: Eu tenho noção daquilo que estou a ouvir. E tu? Tu tens noção do que estás a dizer?

Quem disse que não podes sair numa quinta à noite quando a sexta é o pior dia da semana no trabalho?


Dormi pouco, deitei-me muito tarde, acordei muito cedo, estou a morrer de sono, tenho a sensação de que o duche matinal não tirou o cheiro a tabaco do meu corpo e do meu cabelo, ainda ouço um misto de música brasileira e gargalhadas e quer-me parecer que vou passar o dia a arrastar-me e a pedir caminha para dormir. Mas que se lixe, fazia tudo outra vez. Por elas, por mim, por nós.

15 setembro 2011

Humildade? Ah pois é, ele não precisa!


“Assobiam-me porque sou bonito, rico e um grande futebolista. Não tenho outra explicação”

Verdade


Não tenho uma vida perfeita. E gosto.

14 setembro 2011

Quando a justiça funciona

O Violador de Telheiras escolhia este bairro da capital para os seus ataques "porque se sentia mais confortável." Não ia violar para o Bairro 6 de Maio porque lá certamente que lhe apontariam uma arma. Antes tivesse ido...

O problema nao és tu, sou eu!



Mundo, hoje estou de mal contigo. Hoje não te amo. E não venhas cá com coisas, falinhas, mimimis, cutchis e o camandro, porque hoje não me apeteces.

09 setembro 2011

Definitivamente não é da constipação

O acordo ortográfico dá-me cenas más. Muito más.

Só pode ser desta constipação parva que me está a assolar

Durante a hora de almoço senti um tremor de terra. Agora, acabei de ouvir vozes a chamar o meu nome...

Bonito

Doente. Em Setembro, com um calor terrível e quase a entrar de férias. É tão bom...

07 setembro 2011

Hoje era o dia

Que descansava de uma manhã de cama deitada no sofá. Todo o dia. Hoje era o dia que ficava enrolada no edredon e o único esforço que fazia era uma pequena força para carregar nos botões do comando e mudar de canal.

Correcção do post anterior ao último

Não queremos a brutal dor de garganta, de pernas e de costas. Pela parte que me está a doer neste momento, excluo-me deste queremos.

06 setembro 2011

Daquelas coisas

"Começo a sentir os anos a passar", diz a pequena actriz, de 23 anos.

Pode ser?

Queremos rir e gargalhar. Muito. Muito.
Queremos andar muito até ao sítio onde o carro está estacionado.
Queremos passar mais de uma hora no trânsito para regressar a casa.
Queremos passar muito tempo em pé.
Queremos ovos mexidos no pequeno-almoço.
Queremos wraps de frango durante dois dias, ao almoço e ao jantar.
Queremos bifanas com mostarda a horas tardias. ´

Queremos beber café nas áreas de serviço, como se estivéssemos na nossa esplanada preferida.
Queremos mojitos com sabor estranho, mas que batem depois do primeiro gole.
Queremos que a miúda de onze anos continue a mostrar que tem mais pedalada do que nós.

Queremos ver se a miúda de 11 anos vai ficar mais alta do que a de 32.
Queremos ouvi-la a cantar as músicas do Xutos.

Queremos dormir no sofá cama da casa da Fonte da Telha.
Queremos acordar com a Joana a ladrar, cinco minutos depois de termos adormecido.
Queremos voltar para casa com bolhas provocada pelo calçado.
Queremos dizer alto que "quero fazer xixi".
Queremos ficar com uma brutal dor de garganta, dor de pernas e de costas.
Queremos acordar com o carteiro, às oito da manhã, na manhã em que podemos dormir até ao meio-dia.
Queremos dizer à miúda de 11 anos "não respires".
Queremos a Baronesa, ou melhor, a Carvalhesa, como música do nosso despertador.
Queremos voltar a pular. Muito. Muito.
Queremos novamente as quatro gajas e meia juntas.
Queremos a paciência do (meu) gajo para nos aturar.
Queremos um chapéu do México.
Queremos voltar a ouvir o pai da V. dizer "então, o que bebes?" um minuto depois de nos ter conhecido.
Queremos que o balcão do Brasil continue alto, só para nos rirmos mais um bocadinho.
Queremos conversar assuntos sério com pessoas que nunca tinhamos visto na vida.
Queremos conversar com a senhora que não tem com quem implicar.
Queremos isto e muito mais.
Queremos a Festa do Avante outra vez. Tipo, assim, já este fim-de-semana. Pode ser?

02 setembro 2011

E tu?

Coolness
is having courage - courage to do what's right.
coolness is having courage
courage to do what's right
just try to remember always
just to have a good time
good time good time good time
goo time goo thime goo thime
doo dime doo dime ooo im ooo im

31 agosto 2011

Se um desconhecido te oferecer flores....



Não te assustes, foi o teu homem que mandou!

E hoje é isto... tufas!

"Quem quer dá um jeito, quem não quer dá uma desculpa", by mãe Lina


30 agosto 2011

É só isto

Sou uma gaja com sorte. Com muita sorte. Tenho dito.

04 agosto 2011

Ciclo



A minha vida deve ser assim: de dois em dois anos um ano mau

01 agosto 2011

João Bom Jovem



Ok. O teu casaco é muita giro.

30 julho 2011

Sede




Estou com uma vontade louca de beber margaritas. Deve ser porque estou a trabalhar. Durante as férias não me passou pela cabeça tal coisa. Deve ser porque estou a trabalhar. É isso. Só pode.

07 julho 2011

Contas do dia



1,2,3,4,5,6,7,8,9 e 10

O amor não escolhe idades



Quase trinta foram passados comigo. E assim continuará enquanto cá andarmos.

24 junho 2011

É assim

"Se os teus amigos não desejam tanto a tua presença como tu a deles então se calhar eles não são tão amigos quanto tu julgavas que fossem. Perceber isso depois de tanto tempo é terrível."


By Neni

30 maio 2011

Lembrete



Não esquecer de regar as plantas

24 maio 2011

Senhor dessas terras altas, ajudai-me!



Por favor, ensinai-me a estar, ou melhor, concedei-me o poder de estar em dois lados ao mesmo tempo. É a minha maior precisão neste momento.

A demanda da casa ideal

A minha mãe e o meu pai que não incorram no erro de ler isto. Mas, a verdade é que agora que tenho toda a minha casinha mobilada, decorada, arrumadinha, cheirosinha e com tudinho no seu devido lugar, bem ao jeito daquilo que eu sonhei, idealizei e executei... agora, ando com uma vontade tremenda de mudar de casa. Tipo arrendar a minha e ir para outra. É que ando aqui com umas ideias lindas a fermentar, que só funcionam noutro espaço... maior, com terraço e, assim, debaixo de um tecto daqueles muito altos, com vigas em bruto e portas e janelas altas. É isso mesmo! Anda apetecer-me uma casa daquelas recuperadas, daquelas que ficam maravilhosas sem perderem o traço antigo. É isto.

20 maio 2011

Coisas do amor



À minha volta a opinião divide-se entre "é amor" e "só pode ser amor". Eu gosto! Acho lindo o amor das pessoas, sem preconceito e vergonha de o assumirem.

18 maio 2011

Unha de gel de borla, é isso?



Anda meia blogosfera a escrever odes às unhas de gel, ao gelinho e afins. Elas são unhacas vermelhas, rosa fuscia, salmão, sem cor, para depois se poder pintar com verniz de cor e mudar a cor logo no dia a seguir. Ele é azul, verde, cor-de-laranja e até um amarelo misturado com não sei que cor, que, afinal, não fica nada de jeito. Verdade seja dita: unhaca de gel ou unhaca com gelinho é como aquela regra dos três Bês... Bom, Bonito e Barato, já que evita as idas semanais à manicura. As unhas estão sempre lindas e luzidias, como se acabadinhas de pintar.

Tá de chuva



E a Blanco carregadinha de biquinis. Daqueles giros de doer...

17 maio 2011

Ao meu amor

" O amor não se apaga, não se esgota, na música do tempo porque se quer, porque se tem, porque se é tamanha força e ilusão de nascer e voltar a nascer, de criar e voltar a criar, esperanças, dúvidas e certezas, de que é nosso o Mundo, que o Sol e a lua e a luz são partes de nós próprios num todo indivisível de que nós somos o fogo da lareira, o fogo da paixão, o fogo da vida. Que sem calor e chama ardente não é vida, nem música para sonhar, mas sombras, sombras do passado, sombras de medo, sombras de desilusão, de não conseguir o ideal, a tentativa da perfeição. Afinal tudo é apenas, não mais do que conquistar a noção da beleza, da bondade, da generosidade, não mais do que sermos nós próprios em conjugação, em uníssono, num viver a dois que se prolonga no espaço e no tempo aos olhos de quem não tem, ou não quis, ou não soube ser a semente, a força dum ideal, duma presença, duma chama, que arde e se vê ou não se vê, num lugar para além do coração, talvez mesmo no fundo da alma e da própria vida..." aqui

13 maio 2011

Estas coisas não me acontecem!



Isto só a mim. Liguei para um número de telemóvel, com vista a falar com uma pessoa. Atende-me uma mulher que me garante não ser a pessoa com quem eu queria falar. De facto não era... a pessoa com quem eu queria falar tem sotaque e aquela pessoa não. Mas, do outro lado, a mulher insiste que conhece a minha voz e depois de questionada diz que se chama Patrícia. Eu... não conheço...e ela continua "eu conheço a sua voz, eu conheço a sua voz"... eu, sem dizer o meu nome, digo-lhe de onde estou a ligar. Aí a gaja, tufas, desliga-me o telefone na cara. Eu, ai é??? então agora vou descobrir quem és!... e descobri... descobri que a senhora vende os seus serviços e que são bem diferentes daquilo que eu pretendia quando liguei para aquele número. Ainda por cima, a gaja ganha dinheiro por cada chamada feita praquele número.

11 maio 2011

Pessoas, preciso de ajuda



É certo e sabido que não se deve escolher uma vestimenta branca para levar a um casamento. Diz que é para não ofuscar a noiva. Mas, já agora, quando o assunto é um casório de homem com homem, a regra não se aplica, pois não?!!!!

Preciso dizer isto



Tenho taaaaanto sono!

28 abril 2011

Ao vigésimo oitavo dia do mês de Abril

Um dia depois de ter começado a fazer el ic19 com os cabelos ao vento, recebo uma multa de estacionamento, trinta dias depois de ter cometido a infracção. Ou melhor, trinta dias depois do senhor polícia que estava naquela sítio do aeroporto me ter dito "ali não é multada. Só do seu carro para a frente é que tem multa". Parvalhão! E ocorre-me: tão rápidos que estão os senhores da dgv a enviar as continhas para pagar #hk9!*7%&

27 abril 2011

Sou especialista em bacoradas



Chego a máquina de café do meu local de trabalho e vejo três gajos. Um deles a gesticula como se não houvesse amanhã e os outros dois nem a boca abrem. Viro-me e digo: "então, fez promessa, foi?!" Ninguém me responde, as duas gajas ao meu lado, estão apanhar do ar. Ninguém percebe a boca. Venho embora com o rabo entre as pernas. No caminho de volta, acabo por perceber que trabalho nesta empresa há três anos, vejo aquela alma todos os dias (na máquina do café) e foi preciso um grande shame on me para me aperceber que o homem é surdo-mudo.

26 abril 2011

Tens saudades minhas?

Até já!

Qual é a coisa, qual é ela...



... com que eu nunca tenho de me preocupar, chatear, enervar, embirrar e mais não sei quantas coisas terminadas em ar?? I... R... S... é isso mesmo! E é tão bom!

Daquelas coisas

Existem formigas que comem papel de parede? Existem! E passaram a última semana em minha casa. Depois da empregada me ter avisado que as mini minis andavam a passear pelos cantos da sala; depois da senhora ter desinfectado tudo e mais alguma coisa com amoniacal, lixivia e mais não sei o quê, eis que me apercebi que faltava papel ao papel de parede e que o papel que sobrava estava descolado. As porcas das formigas comeram a cola e o papel de parede que eu tanto gostava já não é papel. Dá para acreditar?!

13 abril 2011

Serei (a)normal?!

Às vezes olho para pessoas e penso "gostava de ser amiga desta pessoa"

Beijo


08 abril 2011

Gosto desta pessoa


Todo ele são pérolas "A minha inspiração é a Anita. A Anita vai ao circo, a Anita vai às compras... Sinto-me uma Anita"

07 abril 2011

Querido Zé

Escrevo para te dizer que estou contigo no que diz respeito aquele teu pequeno mimimi, ontem à noite, ali, em Queluz. Perdão, por Portugal inteiro. Compreendo-te, sim! Oh, sim, como eu te compreendo, meu querido. Também eu quero estar bem quando o fim chegar. Ups, quando o FMI chegar. E já viste a sorte que nós temos? Até está bom tempo e tudo. Vai dar para ficarmos moreninhos, viste? Toma lá uma beijoca.

Daquelas coisas


Se há coisa que detesto é que me mintam, me escondam ou tentem encobrir histórias, coisas, situações e afins. Que me contem histórias só pela metade, que mandem frases soltas, factos empíricos, versões contraditórias e sei lá mais o quê. Isto é coisas para me magoar. Fico mal, fico de rastos e não consigo ligar com isto. Nem tão pouco consigo aprender a lidar com isto.