25 janeiro 2012

Tou que nem posso


Queridas pernas e as nádegas, onde estão? Não vos sinto aqui.

24 janeiro 2012

A quente



Caminho numa estrada cujas bermas parecem não ter fundo e onde vejo afundar-se a vida de alguns que caminham a meu lado. Vejo amigos a ficar sem trabalho, pessoas com quem divido o dia-a-dia verem uma vida, a sua vida, ser esquecida em minutos. Os minutos que demoram a comunicar que a partir daquele momento o tudo que poderiam ter sido até então, se resume a um nada dali para a frente. Na minha estrada cruzo-me com semblantes carregados, faces preocupas e, algumas, poucas, aliviadas. Nesta estrada, os sorrisos, as gargalhadas partilhadas e o companheirismo deram lugar ao sentimento de revolta, à fúria. Deram lugar ao nervoso miudinho, à falta de palavras. À falta de palavras, não por não se querer falar, mas porque não se saber o que dizer. Nesta estrada, ficam um pouco mais tranquilos aqueles que como eu ainda podem dizer aquele até amanhã, antes de desligar as luzes e bater a porta. Mas lá no fundo, nesta estrada, todos receamos que chegue o dia em que o até um dia dê lugar ao nosso dia de amanhã.  

23 janeiro 2012

A vida é maravilhosa e lá fora o sol brilha. Ou talvez não...

Quando uma desgraça não vem só:
O meu patrão paga à semanada e consegue o milagre de tornar essa semanada invisível aos olhos de todos.
A minha mãe está de cama.
O meu pai acabou de ir de urgência para o hospital.
O meu namorado teve uma espécie de acidente de carro na sexta-feira à noite.

Percebes que a tua vida mudou...

Quando levantas os rabo da cama num domingo bem cedo e às 9h30 já estás a caminhar junto ao Tejo.
Quando chegas à noitinha e somas 16 quilómetros à caminhada.
Quando saltas da cama logo ao primeiro toque do despertador de segunda- feira, sem dores nas pernas, e vais fazer voluntariado para o teu local de trabalho.
Quando antes de sair de casa, olhas para os patins em linhas e amandas para o ar um até logo, amigos!

Momento

22 janeiro 2012

21 janeiro 2012

Percebes que a tua vida mudou...

Sábado: 22h52
Onde: sofá
A fazer: dobrar meias

20 janeiro 2012

Janeiro

É esquisito. Janeiro é estranho. Não gosto de janeiro. As revoluções na minha vida aconteceram sempre nos dias que percorrem janeiro. As mudanças menos positivas na minha vida chamam-se sempre janeiro.

Estas coisas fazem-me pensar

Não há dia que não me questione acerca do futuro do filho pequenino dos meus vizinhos. Preocupa-me esta família. Não há dia que não aconteça uma discussão assustadora dentro daquela casa. É ouvir a mãe, que demonstra tamanha falta de paciência, falar mal e demasiado alto para a criança, um menino que só tem quatro anos; é ouvir todos os dias o marido berrar com a mulher, tratá-la mal, chamar-lhe os piores nomes e mais sei lá o quê que as paredes não deixam ver. Ainda hoje a deixou pendurada à porta de casa, demorou o tempo que quis para lhe abrir a porta e lá de dentro atirava com ironias, como se fosse um crime ir ao supermercado e não levar a chave de casa. E o miúdo a assistir a tudo. Quando finalmente a mulher entra em casa, o filho repete vezes sem conta "mãe, mãe, mãe... mãe", mas como resposta ao chamamento leva com um "Ai, G. Agora não, não me chateies...", em modo alto e bom som.

19 janeiro 2012

Peso na consciência


Ou outro nome para.... pizza de Nutela, que agora marchava com uma pinta...

Resolução para o ano 2067 (porque temo que antes será coisa impossível)

Nos jantares de gajas, tudo aquilo que seja iphones, blackberrys, andróides, e o camandro que permita trocar watsapps, actualizar o Facebook, ver emails, fotografar a pizza de nutela e espeta-la de imediato no instagram, ler blogs, fazer check in no foursquare, e mais mil e tantas coisas que dão pra fazer outras mil e tantas coisas... Isto tudo fica em casa. (é nesta parte que tenho de dizer que só estou a escrever este post agora, porque fiquei sem bateria a meio do jantar?)
Ainda assim, continuarão a ser permitidas as idas a restaurantes onde se partilham mesas com desconhecidos. De certeza que em 2000 e não sei quantos ouvir conversas dos outros durante a refeição continuará a ser muito bom.

17 janeiro 2012

Não é que enjoei


Eu até gosto, eu como, eu vou, eu combino com as amigas e até faço a vontade ao homem. Por vezes, vou pelo meu próprio pé buscar para o jantar e fico deliciada no chão da sala, com aquele jantarinho e um bom vinho. Acontece que depois de tanto emborcar isto agora já não me sabe... já  não me dá cenas como antigamente e prefiro comer tudo menos isto. E enquanto estava a escrever isto, recebo um email de uma colega com a convocatória para uma sushizada... e ontem combinei a próxima ida com a tia. Bonito.

Coisas da vida

Sabes que um dia muito importante na tua vida vai correr bem, quando, ao sair de casa logo pela fresquinha e ainda antes do sol rair, pisas uma poia daquelas valentes.

09 janeiro 2012

Dúvida

Até quando se deseja Bom Ano?

08 janeiro 2012

07 janeiro 2012

Motivos não faltam


Agora que os reis fecharam a porta das festas, podemos começar a contagem decrescente para o Carnaval?

03 janeiro 2012

Querido Ano Novo

Preciso de uma fezada!

02 janeiro 2012

2012

Que as coisas difíceis continuem a ser difíceis. Para que assim o valor das conquistas seja devidamente apreciado. Que as coisas boas da vida continuem a ser as coisas boas da vida, junto das boas pessoas, daquelas que se mantêm. Aquelas que dão valor ao dia-a-dia, ao minuto qualquer de qualquer dia e não aos dias estipulados pelo calendário. Que os dias quentes continuem quentes e os frios ainda mais frios. Porque o valor das coisas boas está e estará sempre no inesperado. Que cada momento de 2012 seja, assim, inesperado.