14 julho 2009

Let the sunshine in


Não andamos bem, não! Os males do coração teimam e o calor, deveria, mas não está a afectar o trabalho.
Os dias têm sido difíceis de passar e a noites, essas, deram para se prolongar. A última semana colou noite com dia e dia com noite. Não percebi a diferença, sinceramente. Foi um querer fazer tudo e nada conseguir que fosse feito.
A lua cheia levou-me o cansaço e deu-me aquela energia que eu adoro. Ao contrário, tirou-me o bom humor e a alegria que eu adoro sentir.
Faltou-me um ombro e uns ouvidos prontos a escutarem-me. Senti falta de paciência e indiferença...
A vontade da busca da felicidade, provocada por uma sensação de infelicidade, apoderou-se de mim. A angústia voltou. Os pensamentos e as lágrimas. Tudo. Outra vez.

A "raiva" que senti por estar a sentir isto fez-me começar a chamar as coisas pelos nomes. Falar delas sem vergonha e preconceito: divorciei-me um ano depois de me ter casado. Tudo porque não era feliz (e por tantas e outras coisas das quais nem vale a pena falar). Enfrentei tudo e todos em busca da minha felicidade e do meu bem-estar. Vivi a tristeza de ter pai e mãe contra mim, como se tivesse cometido um crime. A sensação de estar sozinha quando mais precisava de pessoas ao pé de mim. As noites em claro a pensar no "E agora?". Conheci realmente quem estava ao meu lado e as pessoas que me rodeavam. Conclui que, afinal, não tinha os amigos que pensava ter. Tive a certeza da amizade de outros.
Percebi que ao fim de anos em comum as pessoas não se conhecem e que são capazes da piores coisas. Senti e tive a certeza que o homem que eu escolhi para passar o resto da minha vida, afinal era uma mera parte de um todo... Um nada, quando mostrava, parecia ser tudo.

E agora que tudo começa a passar. Agora que os dias começam a ter começo, meio e fim e a minha vida pode, finalmente, voltar à normalidade...
Agora eu quero o sol a brilhar na minha cara. Agora é Verão e eu quero alegria. Quero calor. Quero sunset parties com caipirinhas e com a melhor companhia. Quero sentir a pele molhada, suada. Quero sentir calafrios e arrepios na barriga. Quero sentir o meu corpo a ser percorrido. Quero sentir prazer. Quero querer e quero que me queiram, com muita vontade de querer. Quero sentir e ser sentida. Quero o romantismo do pôr-do-sol. Quero velas acesas, sorrisos cúmplices e palavras ao ouvido. Quero amanhecer na praia. Passeios sobre a areia molhada. Mãos dadas. Aconchego quando a brisa deixa de ser suave. Quero tornar as coisas possíveis e reais...
Quero abraços antes de adormecer. Companhia pela manhã, num pequeno-almoço perfeito.
Quero dar e receber.
Quero sentir paixão no ar. Não preciso ter tudo. Quero apenas o suficiente para me sentir bem e estável. Tranquila e equilibrada. Equilíbrio, sim! É de equilibrio que eu preciso.
Quero acreditar!!
Quero ser feliz.
Hoje. Agora.

2 comentários:

Suspiro do Norte disse...

És daquelas pessoas que não conheço mas que gosto assim sem conhecer. Que conheço um pouco sem conhecer, da qual sei sem saber sequer. Tive muitas xs para te dar uma palavra se carinho qd me apercebi a fase menos boa que passaste. Mas não passou disso mesmo. Duma vontade enorme de te mostrar que estaria ali para o que fosse preciso, mas não te quis falar de algo que notei te magoar.

De qualquer das formas, parabéns pela coragem e pela vontade de seres feliz. Às vezes o que transparece aos outros não espelha a realidade e isso magoa. Magoa porque tudo o que não queremos é dar explicações que sabemos não ter que dar. E magoa ouvir opiniões de quem está literalmente de fora e nunca compreenderá.

Parabéns por teres ido pelo caminho aparentemente mais dificil e mesmo assim teres seguido em frente.

Um beijinho grande

princesa M disse...

Obrigada. Por tudo. bjinho